Câncer de mama – você sabia?

O câncer de mama é a neoplasia mais comum em cadelas e a terceira mais comum em gatas. Acomete, em sua maioria, fêmeas de meia idade (9-11 anos). Nas cadelas, de 41 a 53% são malignos e nas gatas esse número chega a 90%.

O diagnóstico é realizado através de exame físico e exames complementares, portanto, o médico veterinário oncologista deve sempre ser consultado para determinar qual a é melhor forma de tratamento para o paciente.

As modalidades de tratamento incluem cirurgia, quimioterapia, radioterapia, entre outras, porém, a melhor forma de protegermos nossos pets é a prevenção. Consultas regulares ao médico veterinário e palpação das mamas ajudam a manter a saúde do seu animal em dia. A castração precoce é a forma mais eficiente de prevenção do câncer de mama.
Fêmeas castradas antes do primeiro cio têm 0,05% de chance de desenvolver a neoplasia, enquanto fêmeas castradas após o primeiro cio têm 8% e após o segundo cio, temos um aumento significativo para 26%.

Agende uma consulta com nossas médicas veterinárias oncologistas e conheça mais sobre como prevenir esta doença!

Dra. Ana Clara Canellas
CRMV 11656
Clínica Geral com especialização em Oncologia

Dicas da Doutora – Esporotricose

Causada pelo fungo Sporothrix schenckii, a esporotricose é uma micose que pode afetar animais e humanos. Foi por muito tempo conhecida como “a doença do jardineiro” ou “doença das roseiras”, pois era comum acometer indivíduos que tivessem contato com plantas e solos contaminados. Este fungo geralmente habita a natureza, matérias orgânicas como o solo, palhas, vegetais e também madeiras, e desta forma contaminando o gato que tem por hábito a arranhadura.

Nos gatos, as manifestações clínicas da esporotricose são variadas, de acordo com a área afetada. Os sinais mais observados são nódulos, evoluindo para lesões ulceradas na pele, ou seja, feridas profundas, podendo apresentar pus, que não cicatrizam e costumam aumentar rapidamente. Pode atingir vias respiratórias, manifestando sintomas que podem se confundir com gripes e quadros de alterações pulmonares.

Existe tratamento para a micose e o diagnóstico pode ser feito através de exames clínicos e laboratoriais. É muito importante que o tratamento seja seguido à risca e acompanhado por um médico veterinário, pois de acordo com a manifestação clínica pode haver mudanças e associações na terapêutica adotada.
No caso da morte de um animal com esporotricose, é essencial que o corpo seja cremado e não enterrado, pois o fungo pode se espalhar pelo solo e causar a doença entre outros animais e pessoas.
A melhor solução para evitar que a doença se espalhe é cuidar dos gatos doentes e evitar o abandono.

Não abandone, maltrate ou sacrifique o animal com suspeita da doença. O gato não é o vilão, na verdade, é a maior vítima da doença.
Dra. Renata Costa (especialista em felinos)

Agosto: mês do gato na Pet Home

O mês de agosto é o mês de agosto na Pet Home. Em parceria com Laboratório Zoets, Pet Society e Royal Canin preparamos um mês muito especial para os felinos. Teremos dois eventos com muitos brindes, sorteios e degustação. Não perca!

Evento 29/07/2017 – Prevenção anual contra o verme do coração

Dirofilariose, também conhecida como Verme do Coração, é o nome de uma doença grave, silenciosa e que pode ser fatal, afetando cães e gatos. Transmitida por mosquitos como Anopheles, Culex e Aedes (da mesma família do mosquito da dengue), que ao picar cães e gatos podem transmitir as larvas que irão se alojar no coração e nas artérias pulmonares causando sérios problemas.

Muitas vezes o primeiro sinal da doença é a tosse, passando despercebida até que os sintomas mais graves apareçam podendo causar insuficiência cardíaca e respiratória graves demonstradas através da intolerância aos exercícios, cansaço, emagrecimento e prostração.

O diagnóstico é feito através de exames de sangue pela pesquisa das larvas do verme e de antígenos dos parasitas adultos.

A melhor forma de se evitar essa grave doença é a prevenção iniciada nas primeiras semanas de vida dos cães e gatos. O mercado pet oferece diversos medicamentos em diferentes apresentações como: produtos tópicos (pipetas), orais (comprimidos) e injetável (aplicado pelo médico veterinário).
As larvas do verme e os antígenos levam aproximadamente oito meses para aparecer nos exames diagnósticos, e, como em qualquer método preventivo pode ocorrer falha na proteção, recomenda-se que os testes de pesquisa de microfilária e de antígenos sejam realizados antes de iniciarmos esses medicamentos em pacientes acima de sete meses de vida e repetidos após seis meses e todo ano refeitos. Quando iniciamos os preventivos entre 2 e 7 meses não fazemos os testes, mas sim após decorridos seis meses.

Recomendamos também o uso de repelentes de mosquito como coleiras (Scalibor, Leevre, Seresto) ou pipetas (Frontline Tri Act, Vectra 3D ou Advantage Max 3), seguindo as intruções do fabricante e adequando ao peso correto do pet.

Converse com seu médico veterinário para tirar suas dúvidas e manter seu pet com saúde.

Nutrição

Determinar qual o alimento ideal para cada paciente pode ser um desafio, já que as alterações produzidas por doenças no organismo, e os níveis nutricionais de cada alimento devem ser considerados individualmente. De acordo com a Associação Mundial de Medicina Veterinária de Pequenos Animais (World Small Animal Veterinary Association – WSAVA), a nutrição de cães e gatos merece a mesma atenção que os quatro parâmetros vitais (temperatura, pulso, respiração e avaliação da dor), e, por isso, foi instituído que a avaliação nutricional se tornasse o quinto parâmetro vital.

Um organismo saudável é provido da capacidade de alimentar-se de quantidades adequadas, digerir e absorver os nutrientes, carreá-los através dos vasos sanguíneos e linfáticos, e transformar esses nutrientes em substâncias específicas e necessárias. Cães e gatos devem ser alimentados com uma dieta adequada que lhes forneça todos os nutrientes essenciais, nas quantidades e proporçōes corretas, a fim de mantê-los sadios ao longo das fases das suas vidas. Os principais objetivos da alimentação dos pets incluem a manutenção de uma saúde ótima e a obtenção de uma taxa de crescimento normal.

Entre os fatores de riscos relacionados à nutrição, podemos citar a mudança de peso inexplicável; alteração do apetite; achados anormais nos exames laboratorias; e vômitos frequentes e persistentes. A dieta adequada pode ser um fator importante para manter doenças controladas. O serviço de nutrologia clínica se aplica também aos pacientes hospitalizados e consiste na aplicação e monitoramento de procedimentos que reduzam e/ou impeçam o balanço calórico e proteico negativo dos pacientes internados, pois, para que seu organismo tenha vitalidade de responder às medicações e resista às doenças, é necessário que o pet seja nutrido com uma quantidade adequada de calorias e nutrientes e não perca peso.

O nutrólogo é o profissional graduado em Medicina Veterinária que buscou uma especialização na área de Nutrição. Hoje, essa ciência, após inúmeras pesquisas realizadas, nos faz saber o que é melhor para nossos pets. A nutrição adequada é o fator decisivo na longevidade e recuperação de doenças.

Dra. Camila Carvalho

Nutróloga clínica responsável pelo serviço de nutrição da Internação da Pet Home
CRMV 1397-3

Seu pet tem mau hálito? Como escovar os dentes?

Pesquisas mostram que 80% dos cães e gatos possuem algum grau de doença oral após os 3 anos de idade. Seu pet não consegue falar quando tem uma dor de dente, por isso é essencial tomar medidas para mantê-lo saudável. Apesar de seu veterinário ter um papel importante nesse cuidado, existem várias opções que você pode fazer em casa para prevenir doenças dentárias.

A chegada de novo membro da família canina ou felina é sempre uma alegria, mas exige vários cuidados, sendo a saúde oral um deles. Enquanto filhote, ele terá dentes de leite e, nessa fase, é importante acostumá-lo a receber diariamente carinho no focinho, lábios e dentes para que possa se acostumar a ter a boca manipulada. Após o carinho, recompense-o com um prêmio (petisco ou passeio) e repita o prêmio sempre que ele aceita-lo.

Em seguida, tente introduzir na rotina diária o uso de uma dedeira para massagear gengiva e dentes. Se seu pet for muito pequeno use uma gaze. Quando ele se acostumar com a dedeira, passe para a escova de dente. Use pastas e escovas de dente exclusivas para animais, já que as nossas são prejudiciais para eles. Procure pastas com sabor agradável, como frango, por exemplo, isso facilitará a aceitação da escovação.

Quanto ao modo de escovar, primeiro, escove os dentes da frente com movimentos circulares e, depois, da gengiva para a ponta dos dentes. Após alguns dias, escove os dentes posteriores com o mesmo movimento. Não esqueça de recompensá-lo no final da escovação e evite puni-lo por mau comportamento.

A escovação deve ser diária, pois a placa bacteriana se forma todos os dias. Com 4 meses, a troca dos dentes de leite para os permanentes irá começar, terminando entre 7 e 10 meses.

Alguns dos primeiros indicadores de que os dentes do seu pet estão doentes são o mau hálito e a diminuição do apetite, devido à dores durante a mastigação. Se seu pet for acostumado a ter a boca manipulada, o veterinário poderá avaliar presença de fraturas, cálculo dentário (tártaro) e gengivite. Essas alterações podem resultar na queda dos dentes e complicações em outros órgãos, como os rins. Este é o momento que seu pet precisa da uma avaliação com um veterinário especializado em odontologia para orientá-lo sobre o melhor tratamento.

Atendimento odontológico para animais de estimação têm avançado significativamente nos últimos anos e seu cão ou gato podem desfrutar de tratamentos semelhantes aos disponíveis para você. Com o cuidado adequado em casa e apoio de seu veterinário, o seu pet vai desfrutar de uma boca limpa, saudável e hálito fresco. Ele viverá mais tempo e com mais saúde.

 

Dra. Isabel Guigon
Especialização em odontologia veterinária e cirurgia
Atendimento com hora marcada nas Unidades Pet Home

Gestação: Dicas e Cuidados

Existe uma série de cuidados que devem ser tomados antes, durante e após uma gestação bem planejada.
Leve as cadelas e gatinhas para consulta pré-nupcial. Certifique-se de que as vacinas estão em dia, assim como a vermifugação, pois a mamãe precisa estar em plena saúde para gerar filhotes lindos e saudáveis.
É importante que um veterinário acompanhe as mamães e sejam feitos exames de imagem para saber o período gestacional, desenvolvimento e número de filhotes. O primeiro ultrassom deve ser feito com 30 dias de gestação aproximadamente.

Desde o período gestacional (60-65 dias) até o filhote ser desmamado, a alimentação da futura mamãe deve ser modificada. Geralmente é substituída pela ração de filhote.

Mães de primeira viagem podem demorar mais a entender o que está acontecendo e se atrapalham um pouco. Durante a gestação, as fêmeas procuram um lugar para fazer um ninho para os filhotes, por isso é importante oferecer opções de lugares seguros e cobertos onde gostem de ficar. Elas mudam de comportamento notoriamente quando entram em trabalho de parto, ficando inquietas e andando de um lado para outro. Portanto, é importante ficar de atentos onde elas estão indo sempre.
Assim como os bebês humanos, cães e gatos necessitam de cuidados redobrados quando filhotes, para um melhor desenvolvimento e para evitar doenças. Tudo está se formando nesta fase, inclusive a imunidade desses animais. Cada um deles deve ser examinado por um veterinário para saber se é saudável, se precisa de cuidados especiais, vacinação, vermifugação e manejo.

 

Dra. Mabel Miranda Vaz

Clínica geral e dermatologia veterinária

CRMV-RJ 3845

Atendimento às segundas-feiras na unidade Lopes Trovão

Atendimento às sextas-feiras e em sábado alternados na unidade na Presidente Backer

*Atendimento com hora marcada.

 

A Páscoa, o chocolate e os animais de estimação

Quem tem animais em casa sabe como é difícil resistir à súplica de nossos amigos por um pedacinho daquilo que estamos comendo, não é mesmo? Muitas vezes, essa é mais uma forma de agradar e demonstrar afeto. No entanto, devemos lembrar que diversos alimentos “humanos” não podem ser consumidos pelos pets, com riscos graves para a sua saúde.

Infelizmente, o chocolate, tão apreciado pela maioria das pessoas, representa um perigo para cães e gatos: em pequenas porções, é capaz de desencadear vômitos e diarreia; e em quantidades maiores, pode alterar batimentos cardíacos, levar a tremores, convulsões e até ser fatal, dependendo do tamanho do animal e da quantidade ingerida. O problema é que cães e gatos não conseguem metabolizar e eliminar de forma rápida uma substância presente no chocolate, chamada teobromina. A boa notícia é que os pet shops estão cheios de petiscos próprios para animais, livres de substâncias tóxicas para eles, e que foram formulados para agradar o paladar canino e felino.

Caso você suspeite que o seu animal ingeriu chocolate ou se forem observados sinais de intoxicação, procure imediatamente a clínica veterinária. O tratamento rápido é essencial para evitar a absorção pelo organismo. Quando os sinais clínicos se desenvolvem, o tratamento passa a ser de suporte. Não ofereça mimos alimentares que não sejam apropriados às necessidades do seu animal, e respeite a quantidade e frequência que os petiscos podem ser oferecidos. Lembre-se que a obesidade e a diabetes, por exemplo, são doenças também podem ocorrer nos nossos amigos. Portanto, sem exageros, e com petiscos apropriados, aproveite a Páscoa ao lado do seu pet!

Dra. Ingrid Cavalcante

Atendimento especializado em Endocrinologia

Às quartas e quintas-feiras, nas unidades Presidente Backer e Lopes Trovão