Já é Natal na Pet Home!

Neste sábado:

Papai Noel estará esperando seu pet para tirar uma foto com ele na nossa unidade Lopes Trovão!

E tem muito mais:
– guloseimas, brindes e sorteio!

Venha entrar no clima natalino conosco!

Pet Home News

Você sabia que os nossos pets também podem desenvolver diabetes? Para esclarecer dúvidas, e explicar prevenção, causas e tratamentos do diabetes animal, no sábado dia 11/11, a Dra. Ingrid estará no nosso evento sobre a doença. O diagnóstico precoce evita complicações na saúde do seu companheiro. Venha, estamos esperando vocês!!!

HALLOWEEN DA PET HOME 2017!

Neste sábado (28/10) tem Halloween na Pet Home! Traga o seu pet fantasiado para participar dos desfiles. Vai ter sorteios e muito mais! Não perca!!! Esperamos vocês na Unidade Lopes Trovão, das 10h às 14h.

Câncer de mama – você sabia?

O câncer de mama é a neoplasia mais comum em cadelas e a terceira mais comum em gatas. Acomete, em sua maioria, fêmeas de meia idade (9-11 anos). Nas cadelas, de 41 a 53% são malignos e nas gatas esse número chega a 90%.

O diagnóstico é realizado através de exame físico e exames complementares, portanto, o médico veterinário oncologista deve sempre ser consultado para determinar qual a é melhor forma de tratamento para o paciente.

As modalidades de tratamento incluem cirurgia, quimioterapia, radioterapia, entre outras, porém, a melhor forma de protegermos nossos pets é a prevenção. Consultas regulares ao médico veterinário e palpação das mamas ajudam a manter a saúde do seu animal em dia. A castração precoce é a forma mais eficiente de prevenção do câncer de mama.
Fêmeas castradas antes do primeiro cio têm 0,05% de chance de desenvolver a neoplasia, enquanto fêmeas castradas após o primeiro cio têm 8% e após o segundo cio, temos um aumento significativo para 26%.

Agende uma consulta com nossas médicas veterinárias oncologistas e conheça mais sobre como prevenir esta doença!

Dra. Ana Clara Canellas
CRMV 11656
Clínica Geral com especialização em Oncologia

Dicas da Doutora – Esporotricose

Causada pelo fungo Sporothrix schenckii, a esporotricose é uma micose que pode afetar animais e humanos. Foi por muito tempo conhecida como “a doença do jardineiro” ou “doença das roseiras”, pois era comum acometer indivíduos que tivessem contato com plantas e solos contaminados. Este fungo geralmente habita a natureza, matérias orgânicas como o solo, palhas, vegetais e também madeiras, e desta forma contaminando o gato que tem por hábito a arranhadura.

Nos gatos, as manifestações clínicas da esporotricose são variadas, de acordo com a área afetada. Os sinais mais observados são nódulos, evoluindo para lesões ulceradas na pele, ou seja, feridas profundas, podendo apresentar pus, que não cicatrizam e costumam aumentar rapidamente. Pode atingir vias respiratórias, manifestando sintomas que podem se confundir com gripes e quadros de alterações pulmonares.

Existe tratamento para a micose e o diagnóstico pode ser feito através de exames clínicos e laboratoriais. É muito importante que o tratamento seja seguido à risca e acompanhado por um médico veterinário, pois de acordo com a manifestação clínica pode haver mudanças e associações na terapêutica adotada.
No caso da morte de um animal com esporotricose, é essencial que o corpo seja cremado e não enterrado, pois o fungo pode se espalhar pelo solo e causar a doença entre outros animais e pessoas.
A melhor solução para evitar que a doença se espalhe é cuidar dos gatos doentes e evitar o abandono.

Não abandone, maltrate ou sacrifique o animal com suspeita da doença. O gato não é o vilão, na verdade, é a maior vítima da doença.
Dra. Renata Costa (especialista em felinos)

Agosto: mês do gato na Pet Home

O mês de agosto é o mês de agosto na Pet Home. Em parceria com Laboratório Zoets, Pet Society e Royal Canin preparamos um mês muito especial para os felinos. Teremos dois eventos com muitos brindes, sorteios e degustação. Não perca!

Evento 29/07/2017 – Prevenção anual contra o verme do coração

Dirofilariose, também conhecida como Verme do Coração, é o nome de uma doença grave, silenciosa e que pode ser fatal, afetando cães e gatos. Transmitida por mosquitos como Anopheles, Culex e Aedes (da mesma família do mosquito da dengue), que ao picar cães e gatos podem transmitir as larvas que irão se alojar no coração e nas artérias pulmonares causando sérios problemas.

Muitas vezes o primeiro sinal da doença é a tosse, passando despercebida até que os sintomas mais graves apareçam podendo causar insuficiência cardíaca e respiratória graves demonstradas através da intolerância aos exercícios, cansaço, emagrecimento e prostração.

O diagnóstico é feito através de exames de sangue pela pesquisa das larvas do verme e de antígenos dos parasitas adultos.

A melhor forma de se evitar essa grave doença é a prevenção iniciada nas primeiras semanas de vida dos cães e gatos. O mercado pet oferece diversos medicamentos em diferentes apresentações como: produtos tópicos (pipetas), orais (comprimidos) e injetável (aplicado pelo médico veterinário).
As larvas do verme e os antígenos levam aproximadamente oito meses para aparecer nos exames diagnósticos, e, como em qualquer método preventivo pode ocorrer falha na proteção, recomenda-se que os testes de pesquisa de microfilária e de antígenos sejam realizados antes de iniciarmos esses medicamentos em pacientes acima de sete meses de vida e repetidos após seis meses e todo ano refeitos. Quando iniciamos os preventivos entre 2 e 7 meses não fazemos os testes, mas sim após decorridos seis meses.

Recomendamos também o uso de repelentes de mosquito como coleiras (Scalibor, Leevre, Seresto) ou pipetas (Frontline Tri Act, Vectra 3D ou Advantage Max 3), seguindo as intruções do fabricante e adequando ao peso correto do pet.

Converse com seu médico veterinário para tirar suas dúvidas e manter seu pet com saúde.

Nutrição

Determinar qual o alimento ideal para cada paciente pode ser um desafio, já que as alterações produzidas por doenças no organismo, e os níveis nutricionais de cada alimento devem ser considerados individualmente. De acordo com a Associação Mundial de Medicina Veterinária de Pequenos Animais (World Small Animal Veterinary Association – WSAVA), a nutrição de cães e gatos merece a mesma atenção que os quatro parâmetros vitais (temperatura, pulso, respiração e avaliação da dor), e, por isso, foi instituído que a avaliação nutricional se tornasse o quinto parâmetro vital.

Um organismo saudável é provido da capacidade de alimentar-se de quantidades adequadas, digerir e absorver os nutrientes, carreá-los através dos vasos sanguíneos e linfáticos, e transformar esses nutrientes em substâncias específicas e necessárias. Cães e gatos devem ser alimentados com uma dieta adequada que lhes forneça todos os nutrientes essenciais, nas quantidades e proporçōes corretas, a fim de mantê-los sadios ao longo das fases das suas vidas. Os principais objetivos da alimentação dos pets incluem a manutenção de uma saúde ótima e a obtenção de uma taxa de crescimento normal.

Entre os fatores de riscos relacionados à nutrição, podemos citar a mudança de peso inexplicável; alteração do apetite; achados anormais nos exames laboratorias; e vômitos frequentes e persistentes. A dieta adequada pode ser um fator importante para manter doenças controladas. O serviço de nutrologia clínica se aplica também aos pacientes hospitalizados e consiste na aplicação e monitoramento de procedimentos que reduzam e/ou impeçam o balanço calórico e proteico negativo dos pacientes internados, pois, para que seu organismo tenha vitalidade de responder às medicações e resista às doenças, é necessário que o pet seja nutrido com uma quantidade adequada de calorias e nutrientes e não perca peso.

O nutrólogo é o profissional graduado em Medicina Veterinária que buscou uma especialização na área de Nutrição. Hoje, essa ciência, após inúmeras pesquisas realizadas, nos faz saber o que é melhor para nossos pets. A nutrição adequada é o fator decisivo na longevidade e recuperação de doenças.

Dra. Camila Carvalho

Nutróloga clínica responsável pelo serviço de nutrição da Internação da Pet Home
CRMV 1397-3